51f7687f-4f45-45f5-9eff-a0237dfaec80

CARTÃO DE CRÉDITO – Use o com moderação

 

 

Pedro Braggio *

 

 

Os juros exorbitantes do cartão de crédito (atualmente girando em torno de 312% ao ano) assustam mas, mesmo assim, muitas pessoas ainda se utilizam dele sem planejamento e controle, comprando de forma parcelada e sem monitoramento.

 

Mas essas pessoas não são de todo culpadas por agirem assim. Se por um lado, elas não foram educadas na escola para lidar com as finanças, de outro, os bancos podem contribuir para este descontrole oferecendo limites de cartão de crédito e cheque especial que, muitas vezes, vão além do próprio salário das pessoas. Equivocadamente, elas acabam incorporando esses valores às suas receitas e é aí que mora o perigo.

 

Pesquisa recente do Guia Bolso apontou que 20% dos brasileiros pagaram juros do cartão de crédito, pelo menos uma vez nos últimos 12 meses. Isso significa dizer que estas pessoas deixaram de pagar a fatura do cartão de crédito ou a quitaram com atraso.

 

O cartão de crédito é como se fosse um empréstimo pré-aprovado. E pela conveniência de ter esse limite já aprovado, sem a necessidade de ir até o banco e solicitar ao gerente, usam com mais facilidade, sem se atentar para as regras desta modalidade de pagamento.

 

Mas o cartão de crédito não precisa ser um vilão. Ele pode, sim, ser um grande aliado das suas finanças.  E só você pode decidir qual o papel que ele desempenhará na sua vida. Para que a sua relação seja saudável, utilize o cartão de crédito com planejamento e monitoramento. A próxima vez que for usar o cartão de crédito fique atento a estes pontos:

 

- Prefira pagamentos à vista. Se for em dinheiro, melhor ainda, pois, existe a possibilidade de você negociar desconto. Vale lembrar que em alguns países é inadmissível a compra parcelada;

 

- Evite o surto pela compra: quando você ainda tem limite no cartão de crédito corre o risco de comprar algo que não precisa, apenas pela sensação de que está adquirindo um bem e não está pagando naquela hora por ele;

 

- Reflita sobre sua maturidade financeira: se você não consegue se controlar com um cartão de crédito nas mãos, melhor deixá-lo em casa;

 

Espero que você consiga avaliar como é a sua relação com o cartão de crédito e, a partir daí, consiga mudar seus hábitos. Lembre-se, você não precisa deixar de usar o cartão de crédito, apenas esteja consciente das regras, dos juros e das implicações que o mau uso dele pode fazer nas suas finanças.

 

*Pedro Braggio é terapeuta e educador financeiro. Autor do livro “Dinheiro é bom e eu gosto”.


Educação financeira